Impeachment de Bolsonaro é desenlace anunciado, diz Collor em entrevista ao UOL

1 maio 2020
Comentários: 0
Categoria: Notícias
1 maio 2020, Comentários: 0

Collor_2

O senador Fernando Collor (PROS-AL) declarou nesta terça-feira (28), em entrevista ao UOL, que o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), caminha para sofrer um processo de impeachment. As declarações foram dadas ao colunista Josias de Souza.  De acordo com Collor, a abertura do inquérito contra Bolsonaro é o primeiro passo para o processo.”Pelo que já vivi, isso são favas contadas. Se houver manifestação do Supremo [Tribunal Federal] indo para o Congresso, será autorizado esse processo imediatamente”, avaliou.

De acordo com o senador, ainda há dependência do oferecimento de denúncia “mas, se isso ocorrer, o quadro político deve encaminhar a ação para o impeachment. “É imprevisível se vai ser de um lado ou do outro; mas que é um desenlace anunciado, é”, disse. Na segunda-feira (27), o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de investigação para apurar as denúncias feitas por Sergio Moro, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública.

Na avaliação do ex-presidente, a aproximação de Bolsonaro com o chamado Centrão, grupo que reúne parlamentares de partidos como o PP, PL, Solidariedade e Republicanos, é tardia. Para o senador, Bolsonaro retoma a prática do “toma lá, dá cá” ao se aproximar dos partidos de centro com ofertas de cargos na tentativa de criar base de apoio no Congresso Nacional. “Demorou demais, e agora de afogadilho [isto é, de forma apressada] iniciar esse tipo de contato. Não é tão agradável essas investidas que o presidente está fazendo. Está fazendo de um modo equivocado, o presidente da Câmara não está participando”, destacou.

Collor ainda classificou a prática como “deletéria” e afirmou que entendimentos como esses “devem ser feitos à luz do dia”. “Ninguém é a favor do toma lá da cá, mas todos nós, democratas, temos que ser a favor de um entendimento entre os Poderes. No caso do Legislativo e Executivo, com maior razão ainda. Toma lá, dá cá não pode ser confundido com aproximação”, frisou. Na avaliação do senador, mesmo sendo necessário que um presidente tenha apoio do Congresso, a aproximação entre Executivo e Legislativo não pode ser confundida com a prática do toma lá, dá cá.

“Se não for feito à luz do dia, com transparência, e passar a ter encontros no final da noite, fora da agenda, começa esse vazamento de informações. ‘Porque ofereceu isso a tal partido, isso a tal outro’. Isso sim é que se confunde com o toma lá, dá cá e é isso que temos que evitar”, destacou. Para Collor, Bolsonaro age de forma a negar os instrumentos republicanos, do regime democrático. “E isso vai pesar contra ele”, avaliou o senador, lembrando que há cerca de uma semana o presidente discursou em um ato pró-intervenção militar em Brasília e dirigiu palavras de ordem aos manifestantes. No ato, realizado em frente ao QG do Exército, Bolsonaro afirmou: “Nós não queremos negociar nada”

O senador afirmou ainda que aprendeu uma “lição” ao passar pelo processo de impeachment em 1992. “Governo que não tem maioria no Congresso Nacional, no sistema presidencialista, não consegue terminar o seu mandato”, disse. Para ele, “presidente não tem como se sustentar sem apoio parlamentar majoritário”. Collor ainda disse ver semelhanças entre a situação em que Bolsonaro se encontra e o processo pelo que ele passou em 1992. “Essa falta de entendimento com o Congresso, eu já vi. E não gostei do que vi. Não tenho nenhum gosto que aconteça novamente”, analisou.

O senador afirmou ainda que a estratégia de Bolsonaro em apostar no apoio popular sem ter respaldo político é equivocada. “É um erro que eu cometi”, disse. “Tinha 40 anos quando assumi, o mais jovem [eleito]“, afirmou o ex-presidente, que lembrou ter disputado as eleições após um período de “jejum eleitoral” e com figuras como Ulysses Guimarães, Mario Covas e Leonel Brizola. “Foi uma eleição muito dura. A militância do PT era muito atuante, coisa que nós não tínhamos. Fomos para o segundo turno e ganhei a eleição. Depois de ter enfrentado todos esses obstáculos, imaginei que pudéssemos mudar o Brasil de um dia para o outro”, recordou.

O senador relembrou, ainda, o episódio em que pediu para seus apoiadores irem às ruas vestindo camisas verde e amarelas. O pedido, no entanto, acabou resultando em uma manifestação com pessoas vestidas de preto. “Quando aquilo ocorreu, meu governo acabou”, disse. “O grande apoio que eu imaginei ainda ter estava no meio do povo”, afirmou. “Por isso, acho que essa questão de se apoiar nesse ponto, em contraponto à falta de apoio do Congresso, isso não dá certo. Eu vivi, não dá certo”, sentenciou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>