Collor destaca empreendedorismo e ação social de Antônio Ermírio de Moraes

26 maio 2015
Comentários: 0
Categoria: Notícias
26 maio 2015, Comentários: 0
Collor entrega homenagem ao filho do empresário Antônio Ermírio de Moraes, Rubens Ermírio de Moraes (Foto:Agência Senado)

Collor entrega homenagem ao filho do empresário Antônio Ermírio de Moraes, Rubens Ermírio de Moraes (Foto:Agência Senado)

Empreendedor, inovador e visionário. Assim o senador Fernando Collor (PTB/AL) qualificou, em seu discurso, o empresário Antônio Ermírio de Moraes, que recebeu, na manhã desta terça-feira (26), uma homenagem ‘in memoriam’ do Senado Federal. O Diploma José Ermírio de Moraes é concedido a empresários de destaque que contribuíram para a economia nacional e o progresso do País. O destaque deste ano é a homenagem ao empresário Antônio E. de Moraes, filho de José Ermírio de Moraes, que dá nome ao prêmio.

Para Collor, Antônio E. de Moraes era um homem à frente de seu tempo, pois acreditava no poder da inovação como instrumento essencial ao desenvolvimento da sociedade e do País. O senador lembrou que o novo quase sempre é alvo de incompreensões, porque confronta estruturas arcaicas e poderosos interesses. Tarefa essa, explicou o senador, extremamente dura, que pressupõe convicção das ações que estão sendo tomadas e exige do decisor e, ao mesmo tempo, uma infinita capacidade de resistir aos reproches e, no limite, até às sabotagens.

“Antônio Ermírio estava plenamente convencido – e cada vez mais gente parece estar chegando à mesma conclusão – de que é preciso inovar para obtermos produtos e serviços melhores, estejam esses produtos e serviços relacionados à indústria do cimento, à indústria automobilística, a outros campos industriais, ao comércio, ao setor de serviços ou à administração pública”, expôs o senador em discurso na tribuna do Senado Federal, parabenizando os demais homenageados na sessão solene desta terça-feira.

De acordo com o senador, o desejo permanente de realizar o novo, enfrentar interesses e defender o desenvolvimento do Brasil permitiram a Antônio Ermírio de Moraes forjar um império industrial que gera dezenas de milhares de empregos nos setores de cimento, metais, energia, siderurgia, celulose, agroindústria e finanças, o Grupo Votorantim. Até hoje o empresário é consagrado como um dos mais respeitados industriais do Brasil.

Entre os anos 1971 e 2008, o empresário presidiu a Real e Benemérita Associação Portuguesa de Beneficência, transformando-a em um dos mais avançados complexos hospitalares privados da América Latina. Outras organizações não governamentais, como a Associação Cruz Verde de São Paulo e a Fundação Antônio Prudente, também tiveram o privilégio de contar com a colaboração entusiasmada de Antônio Ermírio de Moraes.

No discurso, Collor apontou que um cidadão com tal perfil idealista, que casava tão bem virtudes como o empreendedorismo e a benemerência, também haveria de, cedo ou tarde, incursionar pela política. Em 1986, Antônio Ermírio se candidatou ao Governo de São Paulo, numa eleição histórica que até hoje o povo daquele Estado tem na memória.

Seu desempenho ao longo da campanha, lembrou o senador, mostrava que já era o momento de se adotar, no Brasil, uma nova forma de fazer política, calcada muito mais na apresentação de conceitos claros e objetivos e na formulação de propostas substantivas, e muito menos na repetição de chavões surrados e inconsequentes.

Collor apontou que o empresário quebrou o velho discurso das “melhorias na saúde, na educação, na infraestrutura e na segurança pública”, pois esse conceito é totalmente ineficaz quando não propõe o que se deve fazer de concreto para as melhorias reivindicadas. A esse velho discurso, pontuou o senador, foi combatido com a expressão da eficiência, da eficácia e da competitividade, ou seja, o discurso da modernidade.

“O resultado das urnas não se transformou em amargura. Antônio Ermírio de Moraes conservou intactos o idealismo e a disposição para o trabalho. Por isso, embora mantendo suas atividades empresariais no ritmo alucinante de sempre, deu início a um novo leque de atividades, que viriam evidenciar cada vez mais sua postura ética e seu preparo intelectual”, destacou o senador.

O empresário também se tornou dramaturgo. Num período de dez anos – entre 1996 e 2006 -, ele viu encenadas e publicadas em livro três peças teatrais: Brasil S.A., SOS Brasil e Acorda, Brasil. Collor contou que Antônio Ermírio, em suas caminhadas, ia anotando em bilhetes ideias e situações para suas peças. As obras obtiveram sucesso comercial, assistidas por dezenas de milhares de pessoas. O senador chamou atenção ainda para o fato de que suas três peças, nos títulos, repetem a palavra Brasil.

“Isso nos dá o mote para ressaltar outro traço marcante de seu caráter: o patriotismo. Genuíno e candente patriotismo que fez superar as situações difíceis e relevar as incompreensões, transformando os dissabores em combustível para novos sonhos e novas realizações em prol da sociedade. Tive a certeza de que, quando indiquei o nome de Antônio Ermírio de Moraes ao Conselho do Diploma José Ermírio de Moraes – e que foi aprovado por unanimidade -, estaríamos preenchendo uma lacuna no quadro dos homenageados pelo Senado”, acrescentou o senador.

Ao concluir o discurso, Collor fez questão de registrar os 100 anos que serão completados em 2018 pelo Grupo Votorantim, desejando a todos os dirigentes e colaboradores que mantenham o sucesso alcançado pela visão e o trabalho de José e Antônio Ermírio de Moraes, estendendo o mesmo desejo aos diretores do Grupo presentes na solenidade, Luiz Marcelo Pinheiro Fins, Cláudio Pedroso de Mello e Lucélio de Moraes.

“Rendo ainda minhas homenagens à Maria Regina Costa de Moraes, esposa de Antônio Ermírio, bem como aos seus nove filhos, dentre os quais, dois que aqui se fazem presentes como seus representantes, Rosa Helena Costa de Moraes e Rubens Ermírio de Moraes, além de sua nora Márcia Regina Récio de Moraes, seus netos Eugênio Ermírio de Moraes e Flávia Lion, e seus sobrinhos Ana Paula de Moraes Rizkallah e Flávio Kalil Rizkallah, estendendo-as, ainda, aos demais entes familiares”, concluiu o senador.

Nesta 6ª edição, também foram agraciados os empresários Albano Franco, Carlos Alberto Sicupira, Nevaldo Rocha, Armando Monteiro Filho e João Tenório. O prêmio é entregue desde 2010 a empreendedores que são referência em produção, responsabilidade social, cultural e ambiental, e na contribuição para o desenvolvimento nacional.

Em 2013, o empresário arapiraquense José Alexandre dos Santos foi o primeiro empreendedor alagoano a receber o diploma José Ermírio de Moraes. A proposta em homenagem ao empresário também partiu do senador Collor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *